A Giverny de Monet

Giverny, França
0 Flares 0 Flares ×

Como eu ainda estou evitando os pontos turísticos mais visitados de Paris, eu revolvi sair da cidade.

DSC_0337

Sabem aonde eu fui? A Giverny. É nessa cidade que Monet morou e pintou seus quadros principais. Vejam o que eu vi.

Casa de Monet e seus jardins

A Casa de Monet parece uma casa de bonecas. Foi mantida a disposição dos móveis e dos quadros como na época em que ele vivia aqui. Pena que não era possível tirar fotos. Há muitos quadros em todas as paredes. Os quadros das paredes dessa casa são réplicas, pois os originais estão espalhados pelo mundo, em coleções particulares e públicas. Ele tinha Cézannes, Renoirs e vários outros (ai, que inveja!). O que me chamou bastante foi a vasta coleção de gravuras japonesas que ele tinha. No final do século XIX, muitos artistas passaram a ter um certo fascínio pelo Oriente e pela África. Picasso foi visivlemente influenciado pelas máscaras africanas, já Monet era adepto do japonismo. Não é por acaso que ele pediu para colocarem pontes japonesas em seu jardim e as pintou exaustivamente.

Os jardins de Giverny são magníficos! Há canteiros de rosas, de azaléias e várias outras flores que não sei o nome. Não há como tirar fotos feias aqui.

DSC_0345

DSC_0343

Mas do que eu mais gostei fo do jardim de água, onde estão as ninféias e as pontes japonesas que Monet tanto pintou.

Estou quase Monet! Vejam!

DSC_0367

DSC_0359

Saindo do jardim de Monet fui ao…

Musée des Impressionismes

Musee des Impressionismes

Imagem deste link

Entrei nesse museu com a expectativa de ver obras de vários impressionistas conhecidos. Só que não. Havia algumas obras de Monet e várias outras de um artista japonês que faz uma homenagem a Monet. Em visita a Paris, Hiramatsu se encantou pelas ninféias pintadas por Monet que ele viu no Musée de l’Orangerie e foi a Giverny. O artista japonês pintou, a seu modo, várias imagens pintadas antes por Monet. Ficou muito legal porque foi uma visão japonesa do impressionismo. Biombos japoneses foram usados como tela, composições tipicamente japonesas se mesclam com o impressionismo de Monet, que se deixou influenciar pelo japonismo e agora um japonês estabelece uma relação a obra do francês. Adoro esse diálogo entre as culturas. Pena que não foi possível tirar fotos. Assim, vocês ficarão com minhas impressões do impressionismo.

O passeio de hoje foi para deleitar os olhos e acalmar o espírito.

Bula: como chegar a Giverny

Se você estiver em Paris e tiver interesse em conhecer Giverny, não compre um pacote turístico, não. Vá por sua conta que sai mais barato. Veja só.

Você vai até a estação Saint Lazare, sobe todas as escadas rolantes possíveis, vai até o guichê que vende passagens intermunicipais (grandes linhas), compra um bilhete Paris/Rouen e desce na estação Vernon . É melhor também já comprar o bilheite de retorno (Rouen/Paris). Valide o bilhete nessas maquinhas amarelas.

DSC_0325

Importantíssimo: Não se esqueça de validar o bilhete antes de entrar no trem. Se você for apanhado pelo fiscal com o bilhete sem validação, pagará um multa altíssima.

Olhe nesse painel para ver o horário do próximo trem com destino a Rouen.

DSC_0327

O bilhete dá direito a um viagem por um período de dois meses, em qualquer horário que você quiser.

DSC_0326

A viagem dura uns 45 minutos até Vernon. Descendo nesta estação você pega o ônibus até Giverny. Os ônibus saem uns 10 ou 15 minutos depois da chegada de cada trem. Praticamente todas as pessoas que descem ali vão para Giverny, então, é só seguir o fluxo. Você pode tentar errar que não consegue. Dá até raiva. A viagem de ônibus dura de 10 a 15 minutos.

Chegando a Giverny, você pode visitar apenas a Casa de Monet e seu jardim ou fazer um cominado com desconto: Casa de Monet e seu jardim + Musée des Impressionismes (em Giverny) ou Casa de Monet e seu jardim + Musée de l’Orangerie (em Paris, conforme o Parada em Paris, n.2: Concorde e Champs Elysées – parte I) ou ainda Casa de Monet e seu jardim + Musée Marmotan (em Paris (esse eu ainda vou visitar)).

Valores

Passagem de trem ida e volta: Paris/Rouen = 45,60 euros

Passagem de ônibus ida e volta Vernon/Giverny =  8 euros

Ingressos: Casa de Monet e seu jardim = 9,50 euros / Musée des Impressionismes = 7 euros

Total= 70,10 euros

Se você comprar o bilhete com bastante antecedência (uns 2 meses mais ou menos) poderá pagar praticamente a metade do preço. Como eu comprei no dia da viagem, paguei esse valor. Veja os horários e os valores dos trens no site da companhia de trens da França, a SNCF.

Rapidinhas

A frustração do dia foi ter acabado a bateria de minha câmera enquanto fotografava os jardins de Monet. Que raiva! Jurava que a outra bateria estava carregada, mas não estava. Eu a coloquei para carregar, mas ela não se carregou. É por isso que não tenho nenhuma foto das pontes japonesas de perto e nem eu apareço nas imagens em meio ao jardim. Ao menos a paisagem ficou preservada.

A alegria do dia foi não ser multada por um fiscal do trem. Esqueci completamente de validar o bilhete na volta de Giverny. Para minha sorte, os fiscais não passaram na viagem de volta a Paris, mas tinham passado na ida para Giverny, mas nesse último caso eu havia validado o bilhete.

Muito +

Veja o álbum fotográfico de Giverny

Veja posts sobre a Normandia

Veja a série Parada em Paris

9 Comentários

  1. Bom dia. Você sabe me informar se tem trem para Lisieux todo dia? Estarei indo pra la em junho saindo de paris. Tenho que pegar o trem na estação Saint Lazare ne?

  2. olá, vc saberia me dizer, por favor, como comprar pelo site da sncf esses bilhetes com data em aberto? obrigada.

    • Olá, Marília!
      Não sei responder com muita precisão, pois comprei meu bilhete diretamente na estação de trem, mas, pela minha experiência de outras compras pelo site da SNCF, para o bilhete com data em aberto, eles têm que ser considerados como “flexíveis”.

      Um abraço e boa viagem.

    • Olá, Heloisa Helena.
      Durante o inverno, os jardins de Monet permanecem fechados. Neste ano, reabriu apenas em abril, logo, creio que em março, se abrisse, como é fim de inverno nem haveria flores para ver.

      Um abraço,
      Carmem

  3. Ai que vontade de estar aí com você! Mas
    já que eu não posso… Divirta-se muito! Beijos.

Comments are closed.