Análise: Eu sei que vale a pena (Mário de Andrade)

0 Flares 0 Flares ×

Creio que a maioria das pessoas tem mais contato com a prosa de Mario de Andrade, principalmente Macunaíma. Sei que muitos também já ouviram falar de Paulicéia desvairada, mas poucos têm contato com o poema. Devo confessar que a poesia de Mário de Andrade me surpreendeu, depois, quando aprendi mais sobre a vida dele, entendi a razão: ele era músico de formação. Assim, tá tudo explicado: música e poesia, tudo a ver. Mas vamos ao que interessa, o poema.

Eu nem sei se vale a pena  (Mário de Andrade)         

       Eu nem sei se vale a pena                         a
       Cantar São Paulo na lida,                         b
       Só gente muito iludida                              b
       Limpa o goto e assopra a avena,             a

5     Esta angústia não serena,                        a
       Muita fome e pouco pão,                          c
       Eu só vejo na função                                  c
       Miséria, dolo, ferida,                                 b
       Isso é vida?                                                  b

10  São glórias desta cidade                           d

      Ver a arte contando história,                  e
      A religião sem memória                           e
      De quem foi Cristo em verdade,            d
      Os chefes nossa amizade,                        d

15  Os estudantes sem textos,                       f
       Jornalismo no cabresto,                         f
       Tolos contando vitória,                          e
       Isso é glória?                                            e

        Divórcio pra todo o lado,                     g

20  As guampas fazem furor,                      h
        Grã-finos do despudor,                        h
        No gasogênio empestado,                   g
        Das moças do operariado                    g
        São os gozosos mistérios,                    i

25  Isso de ter filhos, néris,                         i
       E se ama seja o que for,                        h
       Isso é amor?                                            h

       Mas o pior desta nação                         c

       É ter fábrica de gás                                j

30 Que donos-da-vida faz                          j
       Ianques e ingleses de ação,                c
       Tudo vem de convulsão                      c
       Enquanto se insulta o Eixo,               k
       Lights, Tramas, Corporation,            k

35   E a gente de trás pra trás,                   j
        Isso é paz?                                             j

        Pois nada vale a verdade,                  d

        Ela mesma está vendida,                   b
        A honra é uma suicida,                      b

40   Nuvem a felicidade,                            d
         E entre rosas a cidade,                      d
         Muito concha e relambória,             e
         Sem paz, sem amor, sem glória,      e
         Se diz terra prometida,                      b

45   Eu pergunto:                                          l
         Isso é vida?                                           b

Para quem não está habituado com poesia, devo explicar que: a numeração da esquerda é para marcar os versos (cada linha, um verso); cada conjunto de versos, uma estrofe; as letrinhas da direita são para marcar as rimas (letrinha iguais, rimas iguais). Também devo avisá-los que evito ao máximo utilizar termos técnicos em minhas análises de poema para não dificultar o entendimento da interpretação. Esclarecimentos feitos, vamos à análise.

Desilusão paulistana

Em Eu nem sei se vale a pena, o desalento com a cidade de São Paulo expressa a decepção do poeta com o mundo. A desilusão de Mário de Andrade é uma questão existencial, sintetizada por meio do questionamento sobre os valores da vida contemporânea (primeira e última estrofe). Nas demais estrofes, os questionamentos são mais específicos, tratando de arte, religião, ciência, fatores que, de alguma forma, se articulam com a angústia da existência (segunda estrofe); sobre o amor e as relações afetivas (terceira estrofe); e sobre a falta de paz devido aos impactos da Segunda Guerra Mundial (quarta estrofe).

Nesse poema, as estrofes são compostas por nove versos, com rimas regulares, que repetem a mesma combinação (a,b,b,a,a,c,c,b,b). O eu lírico aparece distanciado das imagens que cria, não se identificando com o que vê.

Na primeira estrofe, são apresentados dados que compõem o panorama da cidade de São Paulo. Termos negativos (ilusão, angústia, fome, miséria, dolo e ferida) adjetivam a cidade, como se o eu lírico, mesmo confessando ter dúvidas se vale a pena cantar São Paulo, já tivesse certeza de que não há mais razão para se ter orgulho de ser paulistanamente.

Eu nem sei se vale a pena                        a
Cantar São Paulo na lida,                         b
Só gente muito iludida                           b
Limpa o goto e assopra a avena,             a

Esta angústia não serena,                     a
Muita fome e pouco pão,                        c
Eu só vejo na função                                 c
Miséria, dolo, ferida,                          b
Isso é vida?                                                  b

A segunda estrofe aborda características dos meandros sociais de São Paulo. O eu lírico apresenta um lugar em que a arte está sem crítica, (v. 11), em que há falta de ligação com o passado e com o conhecimento (v. 12, 13 e 15); e que a liberdade de expressão está comprometida (v. 16). Essa estrofe é marcada por palavras que denotam passividade (v. 11 e 17) e falta de ação (v. 12, 15 e 16). Com esses motivos, qual é a gloria de São Paulo? (v. 18), já que o termo glória está intrinsecamente relacionado a grandes feitos e essa estrofe relaciona apenas “não-feitos”.

São glórias desta cidade                        d
Ver a arte contando história,             e
A religião sem memória                       e
De quem foi Cristo em verdade,          d
Os chefes nossa amizade,                      d

Os estudantes sem textos,                   f
Jornalismo no cabresto,                     f
Tolos contando vitória,                      e
Isso é glória?                                           e

Num contexto de excessos, na terceira estrofe é lamentada a falta de bons costumes. A abundância de divórcio (v. 19), o frenesi das traições (v. 20), a falta de decência dos homens das classes altas com as moças das classes baixas (v. 21-23), a leviandade nos relacionamentos (v. 24 e 25) e a promiscuidade nos afetos (v. 26) marcam essa estrofe, que questiona o amor nas relações (v. 27).

Divórcio pra todo o lado,                    g

As guampas fazem furor,                    h
Grã-finos do despudor,                       h
No gasogênio empestado,                  g
Das moças do operariado                   g
São os gozosos mistérios,                   i

Isso de ter filhos, néris,                       i
E se ama seja o que for,                      h
Isso é amor?                                          h

O tema da quarta estrofe é a Segunda Guerra Mundial. Nessa estrofe, é forte a noção de Brasil como um país periférico, subalterno às decisões político-econômicas dos países desenvolvidos (v. 28-30). A estratégia política dos Estados Unidos e da Inglaterra durante a guerra se mistura com a hegemonia econômica desses países (v. 31-34). A ideia de subdesenvolvimento é reforçada no verso 35, que trata do atraso do país. O questionamento sobre a paz (v. 36) pode ser compreendido no contexto de guerra, mas, também, no contexto econômico.

Mas o pior desta nação                        c
É ter fábrica de gás                                j

Que donos-da-vida faz                         j
Ianques e ingleses de ação,                 c
Tudo vem de convulsão                       c
Enquanto se insulta o Eixo,                k
Lights, Tramas, Corporation,             k

E a gente de trás pra trás,                    j
Isso é paz?                                              j

A última estrofe é a única com dez versos – todas as demais têm apenas nove -, e é uma síntese da desilusão do eu lírico, que apresenta a conclusão do “inventário”, que teve dados levantados desde a primeira estrofe. 

Pois nada vale a verdade,                   d
Ela mesma está vendida,                    b
A honra é uma suicida,                       b

Nuvem a felicidade,                             d
E entre rosas a cidade,                        d
Muito concha e relambória,               e
Sem paz, sem amor, sem glória,        e
Se diz terra prometida,                       b

Eu pergunto:                                          l
Isso é vida?                                             b

Os três primeiros versos, em forma de sentença, conduzidas pelas estrofes anteriores, marcam o “tom” de arremate da estrofe: verdade → vendida (v. 37-38); honra → suicida (v. 39); felicidade → nuvem (v. 40). O verso 43 sintetiza os questionamentos das estrofes anteriores (último verso de cada uma), ao mesmo em que os responde; o que nas estrofes anteriores é questionamento, na última torna-se conclusão: não há paz, nem amor e nem glória. O verso 44 é uma contraposição a tudo o que o poeta pensou e sonhou em Paulicéia Desvairada. O verso 45 é o único que não faz rima, é nele que o eu lírico marca sua posição em relação a toda realidade que descreve: distanciado, destoante e avulso, não fazendo composição com o todo. Distanciado porque não se insere nas situações que descreve. Destoante porque se sente descolado da realidade que percebe. Avulso porque o eu lírico não tem um par e não faz rima como todos os demais versos do poema. Nesse verso, parece haver uma fusão entre a forma (verso) e o eu lírico (expressão poética).

No começo do poema, o eu lírico titubeia considera a realidade que vê e questiona a validade e a coerência dos valores. No desenvolvimento, os questionamentos continuam e a desolação também, como se o eu lírico quisesse inventariar todos os motivos de seu mal-estar. Cada estrofe é terminada com uma questão de cunho existencial, fator que evidencia a condição solitária, introspectiva e desiludida em que se encontra o eu lírico. Na última estrofe, ele apresenta a conclusão de seus pensamentos.

Com ligação direta com a última estrofe, a primeira assemelha-se a uma confissão, em que o eu lírico surge já desiludido com a cidade de São Paulo. Três estrofes se seguem sem a presença do eu lírico, que ressurge na última estrofe arrematando todos os levantamentos das estrofes anteriores. Os últimos versos da primeira e da última estrofe são idênticos, mas com função diferente no poema. Na primeira estrofe a indagação “Isso é vida?” (v. 9) segue o “tom” de toda estrofe, que apresenta um eu lírico melancólico e não totalmente convicto de sua desilusão; na última estrofe, depois de inventariar, arrematar e concluir, a questão “Isso é vida?” (v. 46) tem um “tom” de indignação.

Em Eu nem sei se vale a pena, o poeta parece ter percebido que, no meio do caminho tinha a política e a economia. 

DSC_0934

Viaje na leitura, já que a vida real é insuficiente!

Muito +

Veja posts de outros textos de Mario de Andrade

Veja outras resenhas de literatura brasileira