Conhecer São Paulo: Edifício Matarazzo

2 Flares 2 Flares ×

Atualmente mais conhecido como a sede da Prefeitura de São Paulo, o Edifício Matarazzo já foi símbolo do desenvolvimento da cidade.

 Inaugurado em plena Segunda Guerra Mundial, esse edifício foi sede das indústrias ou de uma das indústrias da família Matarazzo até 1972, ocasião em que foi vendido à Audi. Como está empresa tinha dívidas com a prefeitura, o edifício foi cedido ao poder público e desde 2004 abriga a sede da administração estadual, que antes ocupava o prédio do Palácio das Indústrias (hoje, abriga o museu Catavento Cultural).

+ Conhecer São Paulo: Catavento Cultural

Relembrem dessa construção:

Voltando ao Edifício Matarazzo, reparem na arquitetura da construção. 

20160915_134338

Esse estilo arquitetônico ficou muito conhecido durante o regime fascista por atender aos preceitos do regime: referência ao classicismo, racionalismos de formas (linhas retas, implicando ordem), dimensões vultosas etc. Tudo faz muito sentido: quem mandou construir o edifício tem origem italiana, o arquiteto era italiano (Piacentini, o arquiteto de Mussolini), os mármores são italianos, construção e inauguração durante o auge do fascismo.

Bem, vamos aos detalhes do prédio.

O prédio tem 14 andares e 27.800 m² de área construída. Na fachada, parte acima da porta de entrada, vemos formas esculpidas em alto relevo que representam as atividades econômicas com as quais os Matarazzo estavam envolvidos: têxtil, metalurgia, agricultura etc.

Na parte de cima de uma das janelas vemos 3 Ms que representam os Matarazzo.

Antes de entrar, ao lado esquerdo do prédio, percebemos uma escultura que nada tem a ver com a construção, mas que gostamos de tirar foto dela: imagem de uma sereia, estátua que antes estava no Vale do Anhagabaú, mas, para evitar avarias foi trazida para esse lugar.

Entremos.

 Logo na entrada, temos duas colunas com essas esculturas. 

O artista foi o mesmo que fez o obelisco/mausoléu do Ibirapuera e com o mesmo material: mármore travertino. Comparem:

Também, no hall de entrada vemos a imagem acima, que, de longe parece um painel de tecido ou material parecido, mas quando chegamos perto descobrimos que é um mosaico feito de pastilhas ou pedrinhas.

Esse mosaico também veio da Itália. Reparem que o mapa representa a divisão política do Brasil na década de 1940, um pouco diferente do que é hoje.  

Ao lado esquerdo da entrada, temos um busto de Francisco Matarazzo.

  Agora, o que mais interessa nessa visita: o jardim das alturas e a vista. 

Além do laguinho com carpas da imagem acima, no topo do edifício há um jardim com mais de 400 espécies de plantas. Algumas destas são árvores até.

 O responsável por plantar esse jardim foi um antigo funcionário, por isso o jardim leva o nome dele (que esqueci qual é).

 Uma das coisas que chama a atenção é que as plantas são catalogadas, e percebemos que há espécies de vários continentes.

 Tudo muito teteia.

 Partamos para as vistas.

 Há três mirantes no topo desse prédio a partir dos quais podemos identificar vários ângulos e prédios de nosso centro histórico, como podemos conferir nas imagens acima: prédio do Banespa, Edifício Joelma, Av. 9 de Julho etc.

Destaquei algumas imagens com construções mais representativas, como essas duas que mostram o edifício dos Correios e Telégrafos no Vale do Anhagabaú, projeto arquitetônico do escritório de Ramos de Azevedo.

Mais um projeto arquitetônico do escritório de Ramos de Azevedo:

 Teatro Municipal, imagens acima  e abaixo. 

Outro projeto arquitetônico do escritório de Ramos de Azevedo: Edifício Mackenzie, atual Shopping Light. 

Nessa visita, descobri que no topo do Shopping Light há uma pista para atletismo (reparem na imagem) que antes fazia parte de uma academia de ginástica, mas parece-me que agora tem acesso público. Algo a investigar.

Recomendo fortemente essa visita (que só pode ser guiada)!

Edifício Matarazzo
Viaduto do Chá, Anhangabaú
Visitas monitoradas: segundas, quartas e sextas-feiras: 12h, 17h e 19h; terças e quintas-feiras, 11h, 15h e 18h. A visitação tem duração prevista de uma hora. São 10 pessoas por visita. Aconselho chegar ao menos 30 minutos antes para tentar garantir uma vaga.

 Muito +

 Veja toda a série Conhecer São Paulo

Veja a série História de São Paulo

Veja a série O que fazer em São Paulo

Veja a série São Paulo que vale a pena

Veja a série Comer em São Paulo