Intertextualidades: O estrangeiro, de Camus, de The Cure e de Queen

0 Flares 0 Flares ×

Quem gosta de Camus provavelmente o aprecia por conta de O estrangeiro, um romance existencialista que aborda a temática do absurdo. Já fiz vídeo e post sobre ele. Confiram!

Resenha: O estrangeiro (Albert Camus)

Esse livro é tão representativo que consta nas listas da Revista Bravo! e da Revista Bula como um dos 100 melhore livros.

+ Os 100 melhores livros de todos os tempos

+ 100 livros essenciais da literatura mundial

Mas não é só isso. A história do livro inspirou músicos, roqueiros. Neste post, trato de duas músicas de duas bandas famosas que fizeram música na intenção da história de Camus.

A primeira é Killing an arab, da banda The Cure. Vejam o vídeo.

Percebam que a letra da música é um resumo fiel da parte crucial da história.

Killing An Arab

I’m standing on a beach
With a gun in my hand
Staring at the sky
Staring at the sand
Staring down the barrel
At the arab on the ground
See his open mouth
But I hear no sound

I’m alive
I’m dead
I’m the stranger
Killing an arab

I can turn and walk away
Or I can fire the gun
Staring at the sky
Staring at the sun
Whichever I choose
It amounts to the same

Absolutely nothing

I’m alive
I’m dead
I’m the stranger
Killing an arab

Feel the steel butt jump
Smooth in my hand
Staring at the sea
Staring at the sand
Staring at myself
Reflected in the eyes of
The dead man on the beach

The dead man on the beach

I’m alive
I’m dead
I’m the stranger
Killing an arab
Matando Um Árabe

Matando um árabe

Parado na praia
Com uma arma em minha mão
Olhando fixamente para o mar
Olhando fixamente para a areia
Olhando fixamente para o cano
Do árabe no chão
Vejo sua boca aberta
Mas não escuto nenhum som

Eu estou vivo
Eu estou morto
Eu sou um estrangeiro
Matando um árabe

Eu posso voltar atrás
Ou eu posso abrir fogo com a arma
Olhando fixamente para o céu
Olhando fixamente para o sol
Qualquer escolha que eu faça
Tem a mesma importância

Absolutamente nenhuma

Eu estou vivo
Eu estou morto
Eu sou um estrangeiro
Matando um árabe

Senti a arma disparar
Acalmando minha mão
Olhando fixamente para o mar
Olhando fixamente para a areia
Olhando fixamente para eu mesmo
Refletindo nos olhos
O homem morto na praia

O homem morto na praia

Eu estou vivo
Eu estou morto
Eu sou um estrangeiro
Matando um árabe

A outra banda é Queen, com uma música bem famosa e linda: Bohemian Rhapsody.

Agora, vejam a letra da música.

Bohemian Rhapsody

Is this the real life?
Is this just fantasy?
Caught in a landslide.
No escape from reality.

Open your eyes.
Look up to the skies and see.
I’m just a poor boy,
I need no sympathy.

Because I’m easy come, easy go.
A little high, little low.
Anyway the wind blows.
Doesn’t really matter to me.
To me.

Mama, just killed a man.
Put a gun against his head.
Pulled my trigger, now he’s dead.
Mama, life had just begun.
But now I’ve gone and thrown it all away.

Mama, oh!
Didn’t mean to make you cry.
If I’m not back again this time tomorrow,
Carry on, carry on.
As if nothing really matters.

Too late, my time has come.
Sends shivers down my spine.
Body’s aching all the time.
Goodbye everybody, I’ve got to go.
Gotta leave you all behind
And face the truth.

Mama, oh!
(Anyway the wind blows)
I don’t want to die
But sometimes wish
I’d never been born at all.

I see a little silhouetto of a man.
Scaramouche, Scaramouche,
Will you do the Fandango?
Thunderbolt and lightning,
Very, very frightening me.

Galileo. Galileo.
Galileo. Galileo.
Galileo, Figaro.
Magnifico!

I’m just a poor boy,
And nobody loves me.
He’s just a poor boy,
From a poor family.
Spare him his life from this monstrosity.

Easy come, easy go.
Will you let me go?
Bismillah!
No, we will not let you go.
(Let him go!)
Bismillah! We will not let you go.
(Let him go!)
Bismillah! We will not let you go.
(Let me go!)
Will not let you go.
(Let me go!)
Never, never let you go.
(Let me go!)

Never let me go, oh!
No, no, no, no, no, no, no.
Oh mama mia, mama mia,
Mama mia let me go.
Beelzebub has a devil put aside for me.
For me, for me.

So you think you can stone me
And spit in my eye.
So you think you can love me
And leave me to die.

Oh baby, can’t do this to me baby.
Just gotta get out,
Just gotta get right outta here.

Oh, oh yeah, oh yeah!

Nothing really matters.
Anyone can see.
Nothing really matters,
Nothing really matters to me.
(Anyway the wind blows)

Rapsódia Boêmia

Isso é a vida real?
Isso é só fantasia?
Pego num desmoronamento
Sem escapatória da realidade

Abra seus olhos
Olhe para os céus e veja
Eu sou só um pobre garoto
Eu não preciso de compaixão

Porque eu fácil venho, fácil vou
E possuo altos e baixos
Não importa pra onde o vento sopre
Nada realmente importa para mim 
Para mim

Mamãe, acabei de matar um homem
Coloquei uma arma contra sua cabeça
Puxei o gatilho, agora ele está morto
Mamãe, a vida acabou de começar
Mas agora eu joguei tudo isso fora

Mamãe, oh!
Não foi minha intenção te fazer chorar
Se eu não estiver de volta a esta hora amanhã
Continue, continue
Como se nada realmente importasse

Tarde demais, chegou minha hora
Sinto arrepios em minha espinha
Meu corpo está doendo todo o tempo
Adeus a todos, eu tenho que ir
Tenho que deixar todos vocês para trás
E encarar a verdade

Mamãe, oh!
(De qualquer jeito o vento sopra)
Eu não quero morrer
Às vezes eu desejo nunca ter nascido!

Eu vejo a pequena silhueta de um homem
Palhaço! Palhaço!
Você dançará o fandango?
Raios e relâmpagos
Me assustam muito, muito

Galileo! Galileo!
Galileo! Galileo!
Galileo Figaro!
Magnífico, oh!

Eu sou só um pobre garoto
e ninguém me ama
Ele é só um pobre garoto
de uma família pobre
Poupe sua vida, desta monstruosidade

Fácil venho, fácil vou
Vocês me deixarão ir?
Em nome de Deus!
Não, nós não te deixaremos ir!
(Deixe-o ir!)
Em nome de Deus!
Nós não te deixaremos ir!
(Deixe-o ir!)
Em nome de Deus!
Nós não te deixaremos ir!
(Deixe-me ir!)
Nós não te deixaremos ir!
(Deixe-me ir!)

Nós nunca não te deixaremos ir!
Nunca! nunca! nunca me deixarão ir, oh!
Não, não, não, não, não, não, não
Oh, meu Deus, meu Deus!
Meu Deus, me deixe ir!
Belzebu, tem um diabo reservado para mim
Para mim, para mim

Então você acha que pode me apedrejar
e cuspir em meu olho?
Então você acha que pode me amar
e me deixar morrer?

Oh, amor! Não pode fazer isso comigo, amor!
Só tenho que sair
Só tenho que sair logo daqui

Oh, sim! Oh, sim!

Nada realmente importa
Qualquer um pode ver
Nada realmente importa
Nada realmente importa para mim
Não importa pra onde o vento sopre

A letra da música de Queen não nos remete diretamente à história de Camus, como o faz a de The Cure, mas parece que foi inspirada na história sim. Uns dizem que sim, outros não sabem. Prefiro acreditar que foi inspirada em Camus para eu gosta ainda mais dessa música.

Muito +

Veja toda a série Intertextualidades

Veja a série Sistemáticas