Parada em Paris, n.7: região da Torre Eiffel – parte IV

0 Flares 0 Flares ×

Na terceira parte do PeP, n.7, paramos no Palais de Tokyo. Imediatamente em frente ao Palais está o…

Museu da Moda

Paris, França

Esse museu está instalado no Palais Galliera, uma construção super clássica, com esculturas clássica e tudo. Vejam!

Paris, França

É um dos poucos museus da prefeitura de Paris em que temos que pagar para entrar. Isso ocorre porque o museu não tem acervo permanente. Em minha visita, vi a exposição de Azzedine Alaïa, um estilista da Tunísia que é bem conceituado. Não podia tirar fotos sobre a exposição, mas eu peguei uma da internet. Vejam!

Alaia_Galliera

Imagem deste link

Na exposição, há figurinos de Tina Turner, uma das celebridades que ele veste. Gostei bastante da proposta dele. Vi roupas que pareciam esculturas. Quando li um pouco a respeito dele, descobri que ele estudou artes plásticas. Tá explicado.

Há alguns quarteirões dali,  do lado da outra ala do Pallais Chaillot, está a…

Maison de Balzac

Paris, França

Balzac morou nessa casa de 1840 a 1847 com o nome falso de Monsieur de Brugnol. Por que o nome falso? Para enganar os credores. Balzac estava sempre endividado e tinha o hábito de fugir pela porta dos fundos para escapar dos credores.

Logo na entrada, há uma sala com muitos bustos do escritor feitos por diferentes artistas.

Paris, França

Eis o gabinete de Balzac. Foi aqui que ele corrigiu os inúmeros volumes d’A Comédia Humana.

Paris, França

Contudo, o espaço de que mais gostei foi essa sala de moldes para gravuras. Vejam!

Paris, França

Nesse espaço, há moldes das gravuras das obras de Balzac. Todos estão bem catalogados, de modo que conseguimos identificar personagens e obras. Vi gravuras de personagens de livros que li, como Le père Goriot et Eugène Grandet. Adorei!

Rapidinhas

Não sei bem por quê gostavam tanto de esculpir Balzac. Pensei que só o Rodin tivesse esse hábito… Balzac nem era bonito.

Com tantas idas a museus, me considero um ser até que bem resistente, pois não costumo comprar nenhum dos inúmeros souvenirs vendidos nas lojinhas desses espaços. Mas como Balzac é um dos meus escritores prediletos, não teve jeito, comprei mais um livro dele. Foi a lojinha me tentou, mas saí de lá e comprei o livro numa livraria mais barata. Afe! Como é duro resistir aos apelos do consumo.

Muito +

Veja outros posts sobre região da Torre Eiffel

Veja toda a série Parada em Paris

Veja também o álbum fotográfico de Paris