Épernay e o champanhe

0 Flares 0 Flares ×

A maioria das pessoas que vêm até Épernay o fazem por causa das casas de champanhe, sobretudo para visitar a…

Moët Chandon

Épernay, Champagne

Épernay é considerada a capital do champanhe, aqui são produzidos os champanhes mais caros do mundo. Aliás, por razões de direitos autorais ou protecionismo, sei lá, só podem receber esse nome “champanhe”, os espumantes produzidos na região de Champagne. Todos os outros são vinhos espumantes que até podem ter qualidade, mas tecnicamente não podem receber a denominação “champanhe”.  Na loja desta vinícola é possível comprar uma garrafa de 3 litros do exclusivo Dom Pérignon, champanhe safrado de 1998, por uma bagatela de mais ou menos 2000 euros. É bagatela mesmo porque em outros lugares, esse champanhe é muito mais caro.

Épernay, Champagne

A vinícola Moët Chandon é uma das casas de champanhe que move os turistas a essa cidade para conhecer o processo de fabricação do vinho espumante, fazer degustação e comprar umas garrafas por bons preços. As minhas razões para visitar Épernay também foram essas, mas me dei mal. Ao chegar aqui descobri que a vinícola só reabriria para visitação em março. Cheguei com dois meses de antecipação. E de frustração.

Épernay, Champagne

Tive que me contentar em explorar o que era possível e tentei explorar a cidade.

Épernay, Champagne

Estão vendo aquela torre de igreja no lado esquerdo da imagem acima? É dessa igreja aqui:

Épernay, França

Perambulei, perambulei, perambulei… Vi casas bonitinhas…

Épernay, Champagne

Achei um monumento histórico razoavelmente interessante…

Épernay, Champagne

… mas cheguei à conclusão de que sem o champanhe essa cidade não tem graça nenhuma. Entendam essa afirmação com o sentido que acharem mais adequado. Penso que os dois sentidos são adequados. Viva a ambiguidade!

Com a incapacidade de embriaguez biológica, voltei para casa lembrando do poema de Baudelaire (Embriagai-vos) para tentar ter, ao menos, uma embriagues simbólica.

Rapidinhas

Eu até que tento mudar a natureza de meus interesses, mas nunca me dou bem. Procurei me embebedar, mas nada deu certo e tive que voltar aos meus interesses históricos. Já havia acontecido o mesmo em Amsterdam, conforme vimos neste post. Será isso destino?

Muito +

Veja o álbum fotográfico de Épernay

Veja a série Parada em Paris