Resenha: Guerra e paz (León Tolstói)

0 Flares 0 Flares ×

 Dessa vez apresento um livro grande, em todos os sentidos. Com vocês:

Guerra e paz, de León Tolstói

O enredo

Rússia, início do século XIX, durante as invasões napoleônicas. A aristocracia russa é abalada pelos avanços de Napoleão Bonaparte. Membros de vários núcleos familiares participaram de inúmeras batalhas entre 1805 e 1812, ocasião em que o exército francês foi derrotado. Na época, a idade ideal para participar de batalhas também é a idade ideal para se casar. Nesse cenário, casais se encontram e se desencontram. Há casamentos, nascimentos, viuvez etc. Enfim, todos os fatos marcantes da vida acontecem tendo a guerra como pano de fundo.

Dentre tantos núcleos familiares e tantos personagens, destacam-se Natasha, jovem cheia de vida, encantadora, que espalha alegria por onde passa. Com esse temperamento, vários personagens ficam enredados em seus encantos. Outra personagem que se destaca é Pedro, um rapaz rico, bom caráter que sempre está em busca: de espiritualidade, de realização etc.

Dentre tantos personagens em vários núcleos, cada membro jovem tem um enredo próprio, uma história própria.

Resumindo, nesse romance há muitos jovens românticos e sonhadores que têm a vida abalada pela guerra.

A narrativa

O texto é narrado em terceira pessoa por um narrador onisciente e analítico. Na parte das batalhas, a narrativa adota um tom de historiografia: fala direta com o leitor, esclarecimento de dados históricos, comparação com outras versões históricas etc.

Minhas impressões e expressões

É um romance grandioso e envolvente. No começo do enredo, confundimos tudo: relações de parentesco, nomes de personagens, envolvimento entre eles etc. São muitos personagens com idades e realidades muito parecidas.

Excetuando a parte da guerra, que é bem descritiva – pois também é função do romance contar a história da guerra para os russos – a narração flui muitíssimo bem. Tolstói é um excelente romancista.

Viagem na leitura, já que a vida real é insuficiente!

Muito +

Veja outras resenhas de literatura russa