Resenha: A hora da estrela (Clarice Lispector)

0 Flares 0 Flares ×

Um pouco mais de literatura brasileira, vou tratar da comovente Macabéa de…

A hora da estrela, de Clarice Lispector

O enredo

Um escritor envereda em suas conjecturas e decide escrever sobre uma nordestina que conheceu, a Macabéa, uma figura totalmente desprovida de beleza, de sorte, de talento, de inteligência… assim é esse ser que vive meio sem saber o por quê. Ela sai do Nordeste e vai para o Rio de Janeiro, onde trabalha como datilógrafa e mora numa pensão em condições precárias. Conhece um sujeito de quem se considera namorada, mas ele a humilha e maltrata, sem que ela se dê conta disso. Depois que o namorado rompe o relacionamento, ela procura uma cartomante e descobre que sua vida vai mudar. E muda.

A narrativa

A parte em que o escritor fala de si está em primeira pessoa; a que ele fala de Macabéa, em terceira pessoa.

Minhas impressões e expressões

A gente ri e chora com Macabéa. É uma existência de falta, de escassez, de miséria… tanto material quanto moral. Que figura tragicômica… Sua vida no Rio de Janeiro parece evidenciar que não importa o local onde vive (Nordeste ou cidade desenvolvida), Macabéa será Macabéa em qualquer lugar. É tanta simplicidade, é tanta alienação, é tanta miséria que até nos causa medo: o pavor de se identificar com uma criatura tão escassa como ela. Afe! Medo, medo, medo…

20160417_070653

Viagem na leitura, já que a vida real é insuficiente!

Muito +

Veja outras resenhas de textos de Clarice Lispector

Veja outras resenhas de literatura brasileira