Resenha: Ilíada (Homero)

0 Flares 0 Flares ×

Tomei coragem e li integralmente Ilíada, de Homero. Ufa!

Antes de mais nada, devo dizer o provavelmente todo mundo já ouviu: Homero narrava essas histórias deve ter ouvido de outras pessoas, logo a autoria é atribuída a ele por conta disso, porém acredito que sejam fatos que estavam no inconsciente coletivo dos gregos. Por ser cego, Homero tinha um imaginário muito rico, o que o fazia destacar-se como aedo (pessoa que canta os poemas épicos sem ser o autor deles, o que o difere do rapsodo, que também era autor das epopeias que cantava).

Para dar maior veracidade ao narrado, as epopeias sempre têm um preâmbulo no qual o aedo/rapsodo faz um apelo às musas ou a mãe delas, Mnemosine, a deusa da memória, para lembrar dos fatos ocorridos. Com isso, passa-se a impressão que o aedo é apenas um porta-voz escolhido pelos deuses para transmitir a história, por meio oral e em versos, aos seus.

Homère, de Auguste Leloir 

Vamos ao famoso enredo dessa obra que é considerada uma das fundadoras de nossa cultura ocidental.

Ilíada, de Homero

O enredo

No décimo ano da guerra de Troia e destaca a ira de Aquiles, herói grego, em dois momentos que fazem com que ele saia e entre na gerra. Paralelamente, os deuses do Olimpo atuam todo o tempo, alguns por um povo; outros por outro. Hera/Juno e Atenas/Minerva ficam contra os troianos; Apolo/Febo, Áries/Marte e Afrodite/Vênus ficam contra os gregos; Zeus/Júpiter às vezes do lado dos aqueus (gregos), às vezes do lado dos troianos.

Para entender melhor, vejamos a árvore genealógica de alguns personagens gregos…

Genealogia deuses4

…. e outra de alguns personagens troianos:

Genealogia deuses5

Esses são os clãs principais, mas os heróis que se destacam na guerra (Aquiles, Odisseu, Ajax, Pátroclo, Diomedes…) não pertencem a essas famílias.

Resumindo a história: Crises, sacerdote de Apolo/Febo, pede a Agamémnon que lhe devolva a filha Criseida, que foi tomada como espólio de guerra depois de um assalto a Tebas. Seu pedido não é atendido e Apolo/Febo dizima os gregos e seus animais das praias de Troia. Diante da fúria de Apolo/Febo, Agamémnon concorda em devolver Criseida a seu pai, mas pede a troca desta por outra escrava e toma Briseida, escrava e amante de Aquiles, em recompensa pela perda de Criseida. (Primeira ira de Aquiles) Irado, Aquiles quer atacar Agamémnon, mas é impedido por Atenas/Minerva. Aquiles sai da guerra e pede à sua mãe, Tétis, para que solicite a Zeus/Júpiter para interceder em favor dos troianos para castigar Agamémnon. Zeus/Júpiter concorda em ajudar Tétis e, em sonho, ordena que Agamémnon arme os exércitos. Páris propõe um duelo para decidir o destino da guerra, sendo Helena – esposa de Menelau, mas raptada por Paris – como prêmio. Menelau vence, mas Páris não sucumbe porque é ajudado por Afrodite/Vênus que o conduz aos braços de Helena. Os combates se inciam e os grandes heróis se digladiam. Zeus/Júpiter proíbe a interferência dos deuses. Hera/Juno engana Zeus/Júpiter e ajuda os gregos, que estavam em desvantagem. Pátrocolo, primo e grande amigo de Aquiles, pede a armadura e as armas de Aquiles para entrar na luta fingindo ser Aquiles, situação em que é morto por Heitor, um grande guerreiro. Aquiles, ao saber da morte de Pátroclo, fica abatido e e pede  à sua mãe que providencie novas armas para voltar para guerra. E volta irado (Segunda ira de Aquiles). Nessa batalha furiosa, os deuses participam livremente. Hera/Juno, Hermes/Mercúrio, Atenas/Minerva, Poseidon/Netuno e Hefesto/Vulcano lutam ao lado dos gregos; Áries/Marte, Ártemis/Diana, Apolo/Febo e Afrodite/Vênus, ao lado dos troianos. Finalmente no enfrentamento dos dois grandes rivais, Aquiles mata Heitor e desonrando seu corpo ao arrastá-lo pelo acampamento. Vingança feita, quiles promove os funerais de Pátroclo. Príamo  implora a Aquiles o corpo do filho, o irado fica comovido, devolve o corpo e são concedidos 10 dias de trégua para a preparação do  funeral de Heitor.

A narrativa

Originalmente, esse é um poema épico com métrica e rima, mas diante da dificuldade de manter essas características na tradução, perdemos esse aspecto formal.  

Minhas impressões e expressões

Ler essa obra canônica não foi fácil, mas foi menos difícil do que eu esperava. O problema maior está na dificuldade de compreensão dos acontecimentos. Sabemos pouco sobre a guerra e Ilíada não nos mostra muito sobre a motivação e o término desse episódio tão famoso. Na verdade, o que mais se destaca é a atuação de Aquiles e a interferência dos deuses. Porém para entendermos bem o que nos narra esse poema, é necessário mais. Farei outro post explicando o antes e o depois da guerra de Troia. Aguardem.

DSC_0140

 Viaje na leitura, já que a vida real é insuficiente! 

Muito +

Veja mais resenhas de literatura grega