Resenha: Macunaíma (Mário de Andrade)

Macunaíma, de Mario de Andrade
0 Flares 0 Flares ×

Venho falar de um livro excitante, mas com um estilo de narrativa que talvez não agrade a todos. Refiro-me a…

 Macunaíma, de Mário de Andrade

O enredo

Macunaíma nasce na Amazônia com sua principal característica já bem marcada: a preguiça. Preguiçoso e encrenqueiro, assim é o anti-herói que só arruma confusão e passa por grandes transformações, como mudança de cor de pele após mergulhar numa poça d’água, morre e é ressuscitado etc. Ele tem dois irmãos com quem cresce fazendo peraltices. Já na fase adulta, se apaixona pela índia Ci, que antes de morrer dá a ele um amuleto, a pedra muiraquitã. Macunaíma perde a pedra e se desespera. Ao descobrir que a pedra foi levada por um gigante para São Paulo, decide recuperá-la. O anti-herói viaja com seus irmãos para São Paulo mesmo sabendo que o gigante é comedor de gente. São várias as tentativas, as trapaças e os disfarces utilizados para recuperar a pedra. Ele finalmente a recupera e volta para sua tribo na Amazônia, mas perde a pedra novamente, até que desiste dela e redireciona a vida.

A narrativa

O texto é narrado em terceira pessoa por um narrador onisciente, que emprega um tom mítico ao que vai relatar. Nesse sentido, essa narrativa é fabulosa porque buscou representar a fala das várias culturas do Brasil, por meio de provérbios e crenças.

 

Minhas impressões e expressões

É uma narrativa mítica, tal qual Eneida, de Virgílio, história em que o povo latino busca sua origem divina por razões didáticas: transmissão cultural de um passado de glória. No caso desta obra, Mário de Andrade busca o Brasil profundo, a identidade brasileira, tentando entender e explicar como nossa gente foi formada.

As peripécias de Macunaíma para enganar o gigante nos lembra as de Odisseu para enganar o ciclope, em Odisseia. A busca pela recuperação da pedra/talismã nos faz lembrar a busca do Santo Graal na lenda do Rei Arthur. Enfim, as comparações são várias. 

Viaje na leitura, já que a vida real é insuficiente!

Muito +

Veja posts de outros textos de Mario de Andrade

Veja outras resenhas de literatura brasileira

Be the first to comment

Expresse suas impressões!