Resenha: A máscara da morte rubra (Edgar Allan Poe)

0 Flares 0 Flares ×

Resolvi, neste mês de outubro, fazer algumas resenhas de histórias de horror, em homenagem ao halloween. Não me é possível pensar em outro autor que não Edgar Allan Poe para tratar dessa temática. Sei que não é o principal autor de histórias de horror, mas sempre é a primeira referência que me vem à mente. Devo publicar resenhas de vários contos dele durante esse período, a começar por…

A máscara rubra da morte (Edgar Allan Poe)

Esse conto é curto e super impactante, como vários outros de Poe. Também consigo perceber uma moral da história, mas não posso dizê-la para não dar spoiler

O enredo

Metade da população de determinado país é dizimada pela “Morte Rubra”, uma espécie de doença devastadora como o ebola que provoca dores fortes, sangramento, tontura e morte. Diante dessa realidade, o príncipe do país, que é “feliz, destemido e astuto”, quis construir sua própria realidade e se cercar de seus assemelhados, ou seja, “amigos sadios e divertidos dentre os cavalheiros e damas da corte”. Com os seus, o príncipe rumou para um mosteiro medieval, com muralha forte e alta, que ainda foi mais protegida com ferrolhos, impedindo que ninguém entrasse ou saísse do recinto. Assim, todos ficariam protegidos dos impulsos de desespero dos que estavam fora. Vejam um trecho:

“O mosteiro dispunha de amplas provisões. Com essas precauções, os cortesãos podiam desafiar o contágio. O mundo externo que cuidasse de si mesmo. Nesse meio-tempo era tolice atormentar-se ou pensar nisso. O príncipe havia providenciado toda a espécie de divertimentos. Havia bufões, improvisadores, dançarinos, músicos, beleza, vinho. Lá dentro, tudo isso mais segurança. Lá fora, a ‘Morte Rubra’.”.

Depois de uns seis meses de reclusão de gente rica, o príncipe resolveu fazer um baile de máscaras. O que aconteceu a seguir? O título do conto é bem sugestivo, não? Eu paro por aqui, mais que isso seria spoiler.

A narrativa

O conto é narrado em terceira pessoa, com distanciamento e descrição como as dos contos de fada. Forma propícia para que possamos apreender a moral da história.

Minhas impressões e expressões

Medo, medo, medo… 

No Youtube há um videozinho apresentando cenas que aludem ao conto, com passagens do conto acompanhando as cenas. Não vou deixar o vídeo aqui, porque a imagem inicial já seria spoiler, mas quem se interessar poderá acessá-lo aqui. Quem apenas quiser ler o conto, poderá encontrá-lo aqui.

DSC_1637

Viaje na leitura, já que a vida real é insuficiente!