Resenha: O som e a fúria (William Faulkner)

0 Flares 0 Flares ×

Dessa vez venho com uma obra impactante e difícil de ler. Para quem não tem medo de leitura complexa, apresento:

O som e a fúria, de William Faulkner

O enredo

Sul dos Estados Unidos, primeira metade do século XX. A história apresenta os fatos de uma família tradicional, desestruturada e decadente. A família dos Compsons é composta por um marido pouco presente, uma mãe fraca, que não consegue lidar com os problemas e quatro filhos: Caddy, única mulher dentre eles, tem comportamento considerado promíscuo; Quentin, extremamente sensível e com um apego a irmã que cheira a incesto; Jason, rancoroso, agressivo e mau-caráter; Benjy, que tem problemas mentais e é muito apegado à Caddy. Além desses há uma família de negros, empregados dos Compsons.

Parte da história se passa em 1910, quando acontece um fato marcante; o restante em 1928, quando os reflexos dos fatos passados se desenrolam. Paro por aqui para não dar spoiler.

A narrativa

O que há de melhor e de mais aterrorizante nessa obra é a narrativa. Aqui temos um pouco de tudo: fluxo de consciência, monólogo interior e narração em terceira pessoa. A narração fica ainda mais interessante quando observamos o foco narrativo (quem narra a história).

A obra tem 4 partes organizadas de modo não cronológico: a primeira parte é narrada em fluxo de consciência, misturando passado e presente, por Benjy, o deficiente mental que é mudo; a segunda parte é narrada, parte em fluxo de consciência, por Quentin, o irmão supersensível e apegado a Caddy; a terceira parte é narrada, em monólogo interior, por Jason; a quarta parte é relatada por um narrador onisciente.

DSC_0199

Minhas impressões e expressões

Essa é uma das obras mais difíceis que já li. Não é nada linear, tanto em termos de tempo e espaço quanto em narrativa. Apenas no final temos a compreensão total de tudo que aconteceu. No entanto, é uma obra incrível, recomendo fortemente. Vejam minhas impressões e expressões em vídeo.

Viagem na leitura, já que a vida real é insuficiente!

Muito +

Veja mais resenhas de literatura americana