Resenha: O Terceiro Reich (Roberto Bolaño)

0 Flares 0 Flares ×

Para variar, apresento uma obra contemporânea de um autor chileno. Confiram…

O Terceiro Reich, de Roberto Bolaño

O enredo

A vida do alemão Udo parece perfeita: tem uma linda namorada, é campeão de um jogo estratégico de guerra e já está dando palestras e escrevendo artigos sobre estratégia de jogo. Ele faz uma viagem de férias com a namorada ao sul da Espanha e se hospeda num hotel onde já havia se hospedado 10 anos antes com a família. Ao chegar na Espanha sua vida começa a ficar um pouco diferente: se sente atraído pela dona do hotel, que já conhecia desde a primeira viagem, mas ela é casada e seu marido está doente; conhece um casal de alemães também em férias e sua namorada fica bem próxima deles, só que o rapaz do casal é bem agressivo; conhece dois homens locais, Lobo e Cordeiro, dos quais desconfia bastante; conhece um rapaz que tem parte do rosto queimado… Apesar de tudo isso, Udo fica boa parte do tempo no hotel, bolando estratégia de guerra para os jogos. Fatos estranhos começam a acontecer e Udo consegue um estranho companheiro para seus jogos. As coisas passam a fugir de seu controle.

A narrativa

O relato é feito por Udo, em primeira pessoa, que faz um diário. Desse modo, o leitor vai acompanhando-o em suas desconfianças e apreensões.

Minhas impressões e expressões

Fiquei um pouco confusa com o livro. O título me fez crer que o enredo abordava o holocausto, mas Terceiro Reich é o nome do jogo de guerra. Há muitas situações ambíguas, que nos deixam em dúvida, ou será que essas dúvidas são as de Udo, influenciado pelos jogos de guerra?

DSC_0206

Viagem na leitura, já que a vida real é insuficiente!

Muito +

Veja mais resenhas de literatura chilena

Veja mais resenhas de literatura latino-americana