Resenha: Os três mosqueteiros (Alexandre Dumas)

0 Flares 0 Flares ×

 Neste post trato de uma obra já muito conhecida por suas adaptações para o cinema, mas não muito lida. refiro-me a…

Os três mosqueteiros, de Alexandre Dumas

O enredo

França, primeira metade do século XVII, reinado de Luís XIII, que tem como primeiro-ministro o terrível cardeal Richelieu. O jovem D’Artagnan, munido de uma carta de recomendação de seu pai, se direciona a Paris para conversar com o Sr. Treville, chefe dos mosqueteiros, na tentativa de ingressar ao grupo, fazendo parte da guarda real. No meio do caminho, D’Artagnan é interpelado por membros da guarda do cardeal Richelieu, que roubam sua carta. Continuando firme em seus propósitos, o jovem encontra pelo caminho os mosqueteiros Athos, Porthos e Aramis, um por um, e no encontro com cada mosqueteiro ele se mete em alguma confusão, causando uma má impressão logo de início. O jovem entra em combate contra os três mosqueteiros até serem interrompidos pela guarda do cardeal. D’Artagnan se une aos mosqueteiros e luta a contra essa guarda, vencendo-a. Incitado a punir os quatro jovens, o rei Luís XIII ficou impressionado com D’Artagnan e, ao invés de puni-lo, o premia, possibilitando seu ingresso na guarda real. Os quatro tornam-se grandes amigos e se enveredam em grandes aventuras, buscando salvar a reputação da rainha, Ana da Áustria, desafeto de Richelieu, e impedir os crimes de Milady, mulher perigosíssima e espiã do cardeal.

DSC_0126

A narrativa

A estória é narrada em terceira pessoa do singular, por um narrador que aparece muito pouco. Os personagens falam por si, sem a mediação de um narrador. A trama é pouco descritiva e com muita ação.  O ritmo dos acontecimentos é altamente envolvente. 

Minhas impressões e expressões

Não imaginava que fosse gostar tanto desse livro. Agora entendo porque foi tão adaptada para o cinema e para animação. Se quiser saber mais de minha opinião sobre essa e o contexto histórico dos acontecimentos, assista ao vídeo.

Viaje na leitura, já que a vida real é insuficiente! 

Muito +

Veja posts de outros textos de Alexandre Dumas

Veja mais resenhas de literatura francesa