Resenha: A redoma de vidro (Sylvia Plath)

0 Flares 0 Flares ×

Finalmente li o tão bem falado livro de Sylvia Plath, único romance da autora, que produziu mais poesia do que em prosa. Bora conhecer um pouco de:

A redoma de vidro, de Sylvia Plath

O enredo

Esther tem 19 anos e por ser muito estudiosa, ganhou uma bolsa de estudos para cursar faculdade em Nova Iorque (ela é de Boston) e faz estágio numa editora. Em sua nova vida, está inserida num contexto típico de jovens estudantes (festas, bebidas etc.). Até aqui, tudo bem. Aos poucos, por meio de flashbacks, vamos conhecendo a vida pregressa de Esther: seu relacionamento amoroso, sua vida em família e como se sente em relação a tudo isso. Ao voltar para Boston durante as férias, Esther entra em profundo estágio depressivo que já tinha sido iniciado bem antes de sua viagem. Suas percepções a respeito do processo em que mergulhou passa a ser a nova tônica da obra.

A narrativa

A história é narrada em primeira pessoa pela própria Esther, o que nos facilita ter acesso às suas percepções sobre as coisas e as pessoas. A narrativa cheia de flashbacks remete a takes de filmes ou a sonhos  entrecortados, recursos que podem causar uma sensação física no leitor.

DSC_0076

Minhas impressões e expressões

A história é meio autobiográfica, Sylvia passou por várias situações pelas quais passa Esther. Porém, tenho outra questão mais interessante para pensar: Por que Esther entra nesse processo depressivo se, aparentemente ela tem uma vida que muitos desejariam ter ou, pelo menos, muitos não perceberiam problema nenhum? Assista ao vídeo e veja minhas impressões e expressões sobre isso.

Viagem na leitura, já que a vida real é insuficiente!

Muito +

Veja mais resenhas de literatura americana