Resenha: Senhora (José de Alencar)

0 Flares 0 Flares ×

Não resisti e reli um obra que adoro:

Senhora, de José de Alencar

O enredo

Aurélia Camargo, rica e estonteante, recusa seus inúmeros pretendentes humilhando-os ao fazer cotação de cada um e deixando evidente que considerava o interesse deles apenas por sua própria fortuna. Percebam que o nome dela é Aurélia, que vem de ouro, o que vale mais que dinheiro. Tudo corre assim, até que um dia Aurélia decide casar-se e pede ao seu tio/tutor (ela é órfã) que faça os arranjos para esse feito: fazer uma proposta financeira irrecusável a Fernando Seixas, rapaz pobre por quem tinha sido apaixonada e abandonada um ano antes, quando ela ainda era pobre e Fernando a deixou por outra que tinha um dote a lhe oferecer. Nessa proposta de casamento, a identidade da moça tinha que se manter em sigilo e para Fernando, a moça nada sabia sobre a proposta financeira: casá-la era apenas uma preocupação do tio. Quando descobriu a identidade da moça, Fernando levou um susto, mas gostou da ideia. Contudo, na noite de núpcias teve a grande surpresa: Aurélia esclareceu o plano de casamento. Vejam um trecho da fala dela:

“Vendido sim: não tem outro nome. Sou rica, muito rica, sou milionária; precisava de um marido, traste indispensável às mulheres honestas. O senhor estava no mercado; comprei-o. Custou-me cem contos de réis, foi barato; não se fez valer. Eu daria o dobro, o triplo, toda a minha riqueza por este momento.”

Somente após esses esclarecimentos, nós, leitores, ficamos sabendo de fato tudo o que aconteceu um ano antes, quando Aurélia ainda era pobre. O casamento dos dois foi um processo de vingança e educação moral que não vou contar aqui para não estragar o interesse de quem quer ler a obra.

A narrativa

DSC_0040

O texto é narrado em terceira pessoa por um narrador onisciente e todo-poderoso que tudo sabe e tudo vê. É um narrador que manipula bem o leitor, como é comum na literatura do século XIX. José de Alencar emprega recursos narrativos que já conhecemos da obra de Machado de Assis, mas este aprendeu com aquele. Narrativa altamente envolvente.

Minhas impressões e expressões

Essa é uma das mais fortes heroínas que conheço. A personalidade de Aurélia é parecida com a de Emília, de Diva, do mesmo autor, porém Aurélia é mais complexa e bem acabada. Mesmo voluntariosa, caprichosa, conseguimos compreender Aurélia, não obstante não concordemos sempre com ela. Embora ela não tivesse escrúpulos em fazer uso do dinheiro que tinha e comprar o que queria e estava  à venda, ela despreza o dinheiro, ou melhor, como as pessoas se relacionam com ele. Mulher porreta! Se quiser ver e ouvir meus comentários sobre o livros, assista ao vídeo.

Viaje na leitura, já que a vida real é insuficiente!

Muito +

Veja outros posts sobre textos de José de Alencar

Veja outras resenhas de literatura brasileira