Rouen e o martírio de Joana D’Arc

0 Flares 0 Flares ×

Apesar de ser uma das cidades mais conhecidas da Normandia, Rouen é bem pequena, em poucas horas esgotamos o que há de interessante no lugar. Vejam a aparência da cidade:

Há dois pontos marcantes na cidade: a catedral que Monet pintou incansavelmente trocentas vezes e a praça onde Joana D’Arc foi queimada. Como sou dramática, começarei por Joana D’Arc. Vocês hão de se lembrar das aulas de História, em que aprendíamos que Joana D’Arc foi queimada viva, em 1431, antes de completar 19 anos por ter sido acusada de herege durante a Guerra dos Cem Anos.

Com a memória refrescada sobre os acontecimentos históricos, saímos da estação de trem de Rouen e seguimos para rua em frente que se chama “Rue Jeanne D’Arc”. Assim, já começamos a perceber que a pobre moça não descansa em paz, é referência em toda parte da cidade. Andamos um quarteirão e já avistamos à esquerda a…

Torre Joana D’Arc

Rouen, França

Construída no século XIII, essa torre também é como Torre de la Pucelle, esse donjon é a única parte que sobrou do antigo castelo construído por Phillipe Auguste. Essa construção é famosa porque foi aqui que Joana D’Arc ficou preso durante o desenrolar do processo que no futuro a condenaria à morte. A torre é aberta à visitação (1,75 euros).

Continuando por mais um ou dois quarteirões da Rue Jeanne D’Arc, encontramos o…

Square Verdrel 

É um pequeno parque/jardim bonito como todos os da França. Cruzando esse parque, nos deparamos com o…

Museu de Belas Artes de Rouen

Confesso que esse museu me surpreendeu positivamente. Para começar, eu não achava que ele fosse tão grande quanto é. Para terminar, ele tem um ótimo acervo: esculturas de David, quadros de Delacroix e de Pissarro, vários Corots e vários Géricault (apenas no Louvre vi tantos quadros desses dois artistas), obras italianas de artistas como Perugino, muitos íncones bizantinos, muitas obras holandesas, inclusive Van Dyck, e uma excelente coleção impressionista, com vários Sisley (só vi tantas obras desse autor no Museu D’Orsay), Monets, Renoirs, Degas etc. Também há várias obras que representam diferentes passagens do martírio de Joana D’Arc. Ainda bem que eu visitei esse museu.

Seguindo ainda pela Rue Jeanne D’Arc, continuamos por mais uns dois quarteirões e vemos o…

Palácio de Justiça

Esse palácio é um belo exemplo de arquitetura gótica, além das que a gente vê nas igrejas. Ele ainda tem marcas de balas de que foi alvo durante a Segunda Guerra Mundial.

Entrando numa rua emm frente a esse Palácio e andando por dois quarteirões, chegamos à…

Praça do Vieux Marché (Velho Mercado) 

Embora tenha uma aparência estilizada, é apenas um mercado de peixes e coisas do tipo. A construção ao lado dele, que tem o mesmo estilo arquitetônico, é mais interessante, pois trata-se da..

Igreja Santa Joana D’Arc

Essa construção não se parece com a de uma igreja. Fica mais estranho ainda se pensarmos que é em homenagem a uma pessoa da Idade Média. Modernosa demais. Resolvi entrar. Aí descobri que essa igreja é mais interessante por dentro do que por fora. Vejam!

Votando à história de Joana D’Arc, depois que ela foi queimada viva, exatamente no local onde essa igreja foi construída, reabriram o processo que a condenou e decidiram que havia muitos erros. É sempre assim, percebem erros tarde demais. De herege ela passou a ser santa. Por que se precipitam em queimar os outros? Por isso, decidiram fincar uma cruz-monumento no local, que hoje está localizado em frente à igreja dela. Vejam!

As cinzas de Joana D’Arc foram jogadas no rio Sena, que também corta Rouen, perto do local onde ela foi queimada. Não queriam que as cinzas dela  virassem relíquia, por isso as jogaram fora. Esse gente não sabia nada sobre o poder do imaginário. Acharam que se acabassem com a representação concreta da mártir estaria tudo resolvido. Só que não.

Voltando à Rue Jeanne D’Arc, seguimos mais um quarteirão e vemos, ao lado esquerdo, o…

Gros Horloge

Um relógio medieval com um ponteiro só. Num dos lados desse relógio, há uma dedicatória, em latim, ao rei Luís XV. Vejam!

Gros Horloge, Rouen

Muito medieval! Aliás, essa rua é toda medieval. É no fim dela que encontramos a…

Catedral de Notre-Dame 

Essa catedral ficou enjoada de ser pintada por Monet, que a representou diversas vezes com diferentes incidências de luz. Ela é enorme! Não dá para fotografá-la toda. É por isso que Monet sempre pintava apenas uma parte dela e ainda por cima de ladinho. Agora que ela está sendo restaurada, está ficando bem clarinha. Monet entraria em júbilo se a visse assim: com possibilidade de refletir ainda muito mais cores.

Bula: Como chegar até Rouen

É bem fácil ir até Rouen. Veja no post sobre Giverny todos os procedimentos. A única diferença é que você não descerá em Vernon, mas em Rouen. A duração do percurso é de 1h30. O valor do bilhete sempre irá variar de acordo com a antecedência da compra e dos horários escolhidos. Comprei com uns 20 dias de antecedência, paguei 14,00 euros por trecho saindo da estação Saint-Lazare (Paris) às 8h20 e saindo da estação de Rouen às 15h.

Saindo da estação, não tem como errar. Basta seguir pela Rue Jeanne D’Arc, conforme descrevi no relato acima, que você chegará a todas as atrações.

Rapidinhas

Olhando para a Catedral de Rouen me lembrei de um conto de Mário de Andrade que tive que analisar no primeiro ano da faculdade de Letras. Era sobre uma professora de francês que tinha “aflições” e delírios/desejos de ser atacada ao redor dessa catedral.

Na Normandia há mais cidades interessantes do que eu havia imaginado. Acho que voltarei mais vezes.

Muito +

Veja o álbum fotográfico de Rouen

Veja posts sobre a Normandia

Veja a série Parada em Paris