Leituras de 2015 (tudo que li)


0 Flares 0 Flares ×

Olá, pessoal!

 Não é que 2015 rendeu? Li menos que gostaria, porém bem mais do que imaginava ser capaz. Ainda bem!

Neste post faço um inventário das leituras realizadas em razão das promessas de leituras, dos projetos de leitura, do clube de leitura etc. Para entender o mosaico abaixo, fiz uma legenda, indicando pela cor a qual projeto ou promessa de leitura o livro pertence. Há casos em que um livro está inserido em 2 ou 3 projeto/promessa, por isso o título fica todo colorido.

Vamos conferir primeiro a legenda, depois os títulos lidos.

  • 10 leituras para 2015 (ver post aqui) / Resoluções literárias 2015 (ver post aqui)
  • Projeto leitura sobre nazismo, antissemitismo e holocausto (veja aqui todas as resenhas dos livros deste projeto)
  • Projeto 100 livros essenciais da literatura brasileira  (veja aqui a lista de livros e as resenhas das obras deste projeto)
  • Projeto 100 livros essenciais da literatura mundial  (veja aqui a lista de livros e as resenhas das obras deste projeto)
  • Projeto 100 melhores livros de todos os tempos (veja aqui a lista de livros e as resenhas das obras deste projeto)
  • Clube de leitura (Não sabe do que estou falando? Veja o post aqui)
  • Livros não prometidos e sem projetos, ou seja, li porque quis.
  1. A divina comédia, de Dante Alighieri (ver resenhas aqui, aqui e aqui)
  2. Las buenas conciencias, de Carlos Fuentes (ver resenha aqui)
  3. Minha luta, de Adolf Hitler (ver resenha aqui)
  4. O processo, de Franz Kafka (ver resenha aqui)
  5. O cortiço, de Aluísio Azevedo (ver resenha aqui)
  6. O caçador de pipas, de Khaleb Hosseini (ver resenha aqui)
  7. A metamorfose, de Franz Kafka / releitura / (ver resenha aqui)
  8. Estrela amarela, de Jennifer Roy (ver resenha aqui)
  9. O alienista, de Machado de Assis / releitura / (ver resenha aqui)
  10. A cidade e as serras, de Eça de Queirós / releitura / (ver resenha aqui)
  11. O sol também se levanta, de Ernest Hemingway / releitura / (ver resenha aqui)
  12. Os miseráveis, de Victor Hugo (ver resenha aqui)
  13. Raça e história, de Lévi-Strauss (ver resenha aqui)
  14. O diário de Anne Frank (ver resenha aqui)
  15. O menino da lista de Schindler, de Leon Leyson (ver resenha aqui)
  16. Sejamos todos feministas, de Chimamanda Ngozi Adichie (ver resenha aqui)
  17. Elogio da loucura, de Erasmo de Rotterdam (ver resenha aqui)
  18. Sonata do absoluto, de Eduardo Seincman (O milagre secreto, de Jorge Luis Borges (ver resenha aqui))
  19. As viagens de Gulliver, de Jonnathan Swift (ver resenha aqui)
  20. As origens do totalitarismo, de Hannah Arendt  (ver resenha aqui)
  21. Dois irmãos, de Milton Hatoun  (ver resenha aqui)
  22. A ideologia alemã, de Karl Marx e Friedrich Engels (ver resenha aqui)
  23. O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde / releitura / (ver resenha aqui)
  24. Persuasão, de Jane Austen (ver resenha aqui)
  25. A trágica história do Doutor Fausto, de Christopher Marlowe (ver resenha aqui)
  26. Extraordinário, de R. J. Palacio (ver resenha aqui)
  27. La tregua, de Mario Benedetti (ver resenha aqui)
  28. A mulher de trinta anos, de Honoré de Balzac (ver resenha aqui)
  29. O coração das trevas, de Joseph Conrad (ver resenha aqui)
  30. Se um viajante numa noite de inverno, de Italo Calvino (ver resenha aqui)
  31. Fausto, de Goethe (ver resenha aqui)
  32. As cidades invisíveis, de Italo Calvino / releitura / (ver resenha aqui)
  33. Teeteto (o conhecimento), de Platão (ver resenha aqui)
  34. O banquete (o amor, o belo), de Platão (ver resenha aqui)
  35. Três contos, de Gustave Flaubert (Um coração simples (ver resenha aqui))
  36. A cartuxa de Parma, de Sthendal (ver resenha aqui)
  37. Brás, Bexiga e Barra Funda, de Alcântara Machado (ver resenha aqui)
  38. Os sertões, de Euclides da Cunha (ver resenha aqui)
  39. O sol é para todos, de Harper Lee (ver resenha aqui)
  40. O velho e o mar, de Ernest Hemingway (ver resenha aqui)
  41. Fedra, de Racine (ver resenha aqui)
  42. Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto (ver resenha aqui)
  43. O cão amarelo, de George Simenon (ver resenha aqui)
  44. Microfísica do poder, de Michel Foucault (ver resenha aqui)
  45. O Ateneu, de Raul Pompéia (ver resenha aqui)
  46. O último dia de um condenado, de Victor Hugo (ver resenha aqui)
  47. Senhora, de José de Alencar / releitura /  (ver resenha aqui)
  48. O príncipe, de Maquiavel (ver resenha aqui)
  49. Diva, de José de Alencar  (ver resenha aqui)
  50. A Relíquia, de Eça de Queirós (ver resenha aqui)
  51. Memorial de Aires, Machado de Assis (ver resenha aqui)
  52. A mão e a luva, de Machado de Assis (ver resenha aqui
  53. Helena, de Machado de Assis (ver resenha aqui
  54. Ilusões perdidas, de Balzac (ver resenha aqui)
  55. Ficções, de Jorge Luis Borges
  56. O corcunda de Notre-dame, de Victor Hugo (ver resenha aqui)
  57. A revolução dos bichos, de George Orwell (ver resenha aqui)
  58. Cinco minutos, de José de Alencar / releitura / (ver resenha aqui)
  59. A viuvinha, de José de Alencar / releitura / (ver resenha aqui)
  60. Tartufo, de Molière (ver resenha aqui)
  61. As relações perigosas, de Choderlos de Laclos (ver resenha aqui)
  62. Os três mosqueteiros, de Alexandre Dumas (ver resenha aqui)
  63. O quinze, de Rachel de Queiroz  (ver resenha aqui)
  64. Eugenie Grandet, de Balzac / releitura / (ver resenha aqui)
  65. Candido, de Voltaire / releitura / (ver resenha aqui)
  66. O amante, de Marguerite Duras (ver resenha aqui)
  67. Esaú e Jacó, de Machado de Assis / releitura / (ver resenha aqui)
  68. Os escravos, de Castro Alves 
  69. A ilustre casa de Ramires, de Eça de Queirós (ver resenha aqui)
  70. Ilíada, de Homero (ver resenha aqui)
  71. Odisseiade Homero (ver resenha aqui)
  72. O crime do padre Amaro, de Eça de Queirós (ver resenha aqui)
  73. Um livro em fuga, de Edgar Telles Ribeiro (ver resenha aqui)
  74. Contos, de Eça de Queirós 
  75. Novelas exemplares, de Miguel de Cervantes 
  76. A festa de Babette, de Karen Blixen (ver resenha aqui)
  77. As mil e uma noites, de anônimo (ver resenha aqui)
  78. Otelo, de W. Shakespeare (ver resenha aqui)
  79. Ricardo III, de W. Shakespeare (ver resenha aqui)
  80. Eichmann em Jerusalém, de Hannah Arendt (ver resenha aqui)
  81. O mito das nações, de Patrick J. Geary (ver resenha aqui)
  82. O Uraguai, de Basílio da Gama
  83. Rei Lear, de W. Shakespeare (ver resenha aqui)
  84. A paixão segundo G. H., de Clarice Lispector (ver resenha aqui)
  85. Libertinagem, de Manuel Bandeira
  86. Estrela da manhã, de Manuel Bandeira
  87. O veredicto (ver resenha aqui/ Na colônia penal, de Franz Kafka (ver resenha aqui)
  88. A tempestade, de W. Shakespeare (ver resenha aqui)
  89. Noite de reis, W. Shakespeare (ver resenha aqui)
  90. A geração que esbanjou seus poetas, de Roman Jakobson (ver resenha aqui)
  91. O estudo analítico do poema, de Antônio Candido /releitura/ (ver resenha aqui)

 Além dos livros, li algumas poucas HQ:

  1. Vincent: a história de Vincent Van Gogh, de Barbara Stok (ver resenha aqui)
  2.  Maus, de Art Spielgeman (ver resenha aqui)
  3. Adeus tristeza, de Belle Yang (ver resenha aqui)
  4. A história do Buda em mangá, de Hisashi Ohta (ver resenha aqui)
  5. O caçador de pipas, de Khaleb Hosseini (ver resenha aqui)
  6. Retalhos, de Craig Thompson (ver resenha aqui)

Eu havia me comprometido também a ler mais em outros idiomas. Dos livros que li, quase um terço está em inglês, espanhol e sobretudo francês. 

  1. Os miseráveis, de Victor Hugo (francês)
  2. Minha luta, de Adolf Hitler (inglês)
  3. Las buenas conciencias, de Carlos Fuentes (espanhol)
  4. Raça e história, de Lévi-Strauss (francês)
  5. O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde (inglês)
  6. Persuasão, de Jane Austen (inglês)
  7. La tregua, Mario Benedetti  (espanhol)
  8. A mulher de trinta anos, de Honoré de Balzac (francês)
  9. O Coração das trevas, de Joseph Conrad (inglês)
  10. Três contos, de Flaubert (francês)
  11. A cartuxa de Parma, de Sthendal (francês)
  12. Fedra, de Racine (francês)
  13. O cão amarelo, de George Simenon (francês)
  14. O último dia de um condenado, de Victor Hugo (francês)
  15. Ilusões perdidas, de Balzac (francês)
  16. O corcunda de Notre-dame, de Victor Hugo (francês)
  17. Ligações perigosas, de Choderlos de Laclos (francês)
  18. Tartufo, de Molière (francês)
  19. Os três mosqueteiros, de Alexandre Dumas (francês)
  20. Eugenie Grandet, de Balzac (francês)
  21. Candido, de Voltaire (francês)

Estou muito contente com tudo que li, que foi mais que o triplo do que eu havia imaginado (tinha pensado em ler 30 livros). Gostei bastante de mais ou menos 90% dessas leituras. Reconheço que por terem sido, em sua maioria, obras clássicas, é difícil errar a mão.

Em 2016 terei novos projetos de leituras, mas menos promessas, que me deixam tensa e pressionada. Ainda farei um vídeo/post fazendo um balanço geral e indicando as melhores leituras do ano.

Viaje na leitura, porque a vida real é insuficiente!