Viva México, n.3: a vila e a virgem de Guadalupe

0 Flares 0 Flares ×

Não dá para visitar a Cidade do México e não conhecer o Santuário da Virgem de Guadalupe. Esse é o mais sagrado santuário católico romano na América Latina e o mais visitado do mundo. Em 1531, o camponês asteca Juan Diego afirmou ter visto a aparição da Virgem nessa região. Ao que consta, ela apareceu para ele mais de uma vez e pediu que fosse construída uma capela. Como pedido santo não se nega, a capela foi construída e, desde então, o local se tornou alvo de peregrinação.

Eis a visão central que temos ao entrar no santuário:

DSC_1241

A construção da esquerda é a…

Basílica Antiga

DSC_1245

É um templo barroco que foi construído em 1709. Em 1904 tornou-se basílica por causa da devoção dos fiés. Vejam o campanário: barroco da cabeça aos pés.

DSC_1246

Mais um detalhe:

DSC_1247

Tirei apenas uma foto de dentro em respeito à cerimônia que estava ocorrendo.

DSC_1248

Essa é a basílica antiga porque agora há a…

Nova Basílica

DSC_1243

Essa fica em frente e ao lado da Basílica antiga. Vejam por dentro:

DSC_1259

É nessa basílica que está a imagem da virgem no manto original de Juan Diego (logo abaixo conto essa história), mas eu nem consegui chegar perto dela.

A construção à direita da primeira foto deste post é a…

Paróquia de Capuchinas

DSC_1244

Inicialmente, esse espaço era um convento, depois tornou-se um hospital. Apenas em 1929 tornou-se uma igreja paroquial. Vejam por dentro.

DSC_1249

Saindo da Paroquia de Capuchinas e passando pela Basílica Antiga, vemos, à esquerda desta, uma…

Estátua de João Paulo II

DSC_1251

Contornando a estátua, seguindo para trás da basílica, vemos o…

Batistério

DSC_1253

Estão vendo aquela construção lá em cima, no centro da imagem abaixo?

DSC_1254

Eu fui até lá. A subida é bonita e agradável. É uma trilha serpenteada e contornada por um  jardim, mas não é um jardim qualquer. Quando Juan Diego contou ao bispo que a virgem tinha aparecido para ele, não teve crédito algum. Então, a virgem reapareceu para Diego e pediu a ele para colher flores. Mesmo no inverno as rosas floresciam na colina Tepeyac. Juan Diego abriu seu manto cheio de rosas fora de época diante do bipo. A imagem da virgem se formou no manto e ninguém mais duvidou dele.

DSC_1255

Chegando lá em cima, vemos o teto das três principais construções já descritas neste post.

DSC_1256

Mas subi à colina por outro motivo. Sabem o que é lá?

Capela do Cerrito

DSC_1257

Essa capela foi construída em 1749, no local onde Juan Diego colheu as rosas. Vejam ela por dentro:

DSC_1258

Descendo a colina, passando por todas as construções que já descrevi e virando à esquerda da Paróquia de Capuchinas, logo nos deparamos com a…

Paróquia de Índios

DSC_1260

Essa capela foi construída em 1649, no mesmo lugar da original, construída em 1531, ano da aparição da virgem. Ainda há resquícios da capela original dentro dela. Juan Diego viveu seus últimos dias aqui. Vejam a capela por dentro:

DSC_1262

De frente à essa capela, quando olhamos para cima, vemos a colina Tepeyac, com monumentos e a Capela de Cerritos. 

DSC_1261

Vejam se aquele monumento no centro da imagem não parece velas de caravelas ou assemelhados? Hum… isso está me parecendo suspeito.

Deixando as suspeitas de lado para sistematizar algumas ideias que andei tendo, seguimos adiante e a poucos metros encontramos a…

 Capela do Pocito

DSC_1267

A virgem apareceu para Juan Diego na nascente situada nessa capela. A nascente, que parece um poço, está logo na entrada, temos que nos desvencilhar dela para entrar. Vejam!

DSC_1266

Dentre as capelas, santuários e assemelhados da Vila de Guadalupe, essa é a mais bonita por dentro.

DSC_1263

Vejam o detalhe:

DSC_1264

Voltando ao pátio central, à esquerda e um pouco adiante da Paróquia de Capuchinas, no lado oposto da Nova Basílica, está o…

Carrilhão

DSC_1242

É uma cruz de pedra com sinos que bate de hora em hora de quatro jeitos distintos. Também há um relógio moderno e outro astronômico.

DSC_1268

Naquela parte cilíndrica, em horário específico, é feita uma encenação com bonecos. Pelo que entendi é uma apresentação sobre o aparecimento da virgem.

Na imagem abaixo, ganha um doce quem perceber o que há de errado/diferente.

DSC_1269

O número 4 em algarismo romano está grafado de maneira diferente: em vez de IV está IIII. Como fui prestar atenção nisso?

Rapidinhas

Pensem comigo: como Juan Diego era asteca se tem nome espanhol? A virgem apareceu para um asteca com nome espanhol durante o início da colonização espanhola, quando a Espanha quis dominar o território mexicano e construir uma igreja católica em cada quarteirão? Humm… Não quero duvidar da fé de ninguém, mas estou achando que essa história da virgem tem intervenção espanhola no processo de conversão religiosa dos mexicanos.

De todos os santuários que já conheci, esse e o da Santa Teresinha do Menino Jesus são os mais bonitos. Além desses dois, conheci o da Nossa Senhora Aparecida, o de Fátima e o de Joana D’Arc. Este último não é santuário, mas é a igreja dela. Vejam logo abaixo os posts sobre eles, exceto o da Nossa Senhora Aparecida.

Muito +

Veja o álbum fotográfico da Cidade do México

Veja todos os posts do México

2 Comentários

  1. O IIII (quatro) em relógios é assim por uma convenção internacional (devido a um acidente grave de trens), pra não confundir com VI.

    • Olá,
      obrigada pelo esclarecimento. É engraçado eu nunca ter visto isso antes. Mas também penso que se é assim, deveriam fazer alguma diferença entre o IX e o XI, pois é o mesmo raciocínio.
      Obrigada do mesmo modo.
      Um abraço,

Comments are closed.