Zurique: bonita e charmosa

0 Flares 0 Flares ×

Agora entendo porque tanta gente não vê graça em Genebra. Já passei por Berna, Interlaken e Lucerna, que são mais bonitas que Genebra,  e agora Zurique, que é mais interessante que Genebra, mas não mais bonita.  Berna e Interlaken não parecem lugar para gente morar, parecem cidades de enfeite. Já Genebra, Lucerna e Zurique parecem ser mais “habitáveis”, com bastante gente em movimento.

Uma das muitas vantagens dessas cidades suíças por onde passo é que todas têm um lindo lago ou rio na região central, com águas límpidas, transparentes, em tons de verde e azul e com vários bichos harmonizando (patos, gansos e outros do gênero). A única exceção é Interlaken, que tem um papel inverso. Explicando. Enquanto as outras cidades são “recheadas” por lagos ou rio, Interlaken é o próprio “recheio”, já que fica entre dois rios, conforme já descrevi no post sobre a cidade

DSC_0640

Sempre começo meu passeio margeando essas águas. É revigorante! O barulhinho dos bichos brincando e das ondinhas se quebrando são como música para meus ouvidos. É uma pulsão de vida bem no meio da cidade, uma fabrição humana. Não existe linha reta na natureza, todas as linhas dos barcos, das pontes, das construções… tudo é fabricado. De repente há um lago no meio do caminho, com suas ondas irregulares e seu barulho desritimado, quebrando a racionalidade da linha reta fabricada… Não sei por que estou escrevendo isso. Vamos aos passeios!

Já energizada pelo lago de Zurique, procurei pela…

Fraumünster

DSC_0641

Uma igreja construída no século IX, mais precisamente em 853,  que originalmente era uma abadia beneditina. Atualmente ela é propriedade da cidade. Sabem por que eu quis visitar a igreja? Pela arquitetura? Também, adoro fotografar arquiteturas e vitrais (estou montando uma série fotográfica sobre vitrais). Assim, o que me levou à Fraumünster foram os vitrais, mas por uma razão maior do que compôr minha série de fotografia. Os vitrais dessa igreja foram feitos por Marc Chagall e Augusto Giacometti. Que luxo! Eles são maravilhosos! Pena que não podia tirar fotos. Minha seria ficaria enriquecidíssima!

Um pouco mais adiantes, algumas ruelas e degraus depois, encontramos a…

Igreja de St. Peter

DSC_0642

Essa igreja é a maior paróquia de Zurique e tem o maior relógio de igreja da Europa. Há relógios nas quatro faces da torre com diâmetro de 9 metros. O coro e as torres foram contruídos em 1230, já a nave data de 1706.  No interior da igreja há relíquias do século IX ao XV.

Um pouco mais adiante, depois de subir uma rampinha, chegamos ao…

Lindenhof

Durante a Idade Média, esse lugar foi uma fortaleza romana. Agora é uma praça, um espécie de mirante de onde podemos ter uma vista privilegiada da cidade como a das paisagens abaixo.

DSC_0643

DSC_0644

Descendo outras rampas, atravessando a ponte e andando alguns metros, nos prostramos diante da…

Grossmünster

DSC_0645

Essa catedral foi finalizada em 1220 como uma igreja românica. As torres em estilo neogótico foram construídas em 1781-87.

Logo atrás dessa catedral, na mesma direção, caminhando um pouco, chegamos a…

Kunsthaus (Casa da Arte) 

DSC_0650

Que museu espetacular! Vejam o que já há ao lado da entrada:

DSC_0649

A porta do inferno de Dante, feita por Rodin.

Comecei a visita desse museu acreditando que veria apenas obras do Giacometti, já que só paguei para ver a coleção permanente. Há umas 6 salas só com obras do Giacometti, quem eu nem sabia que era suíço, pensei que fosse italiano, por causa do sobrenome. Mas como eu já estou mal acostumada com os museus daqui (Suíça e Paris), que são enormes, resolvi procurar por mais coisas. Vejam só o que descobri: no primeiro andar  há umas 24 salas (!!!) repletas de obras do século XV ao XIX. Salas e salas de arte italiana renascentista, arte flamenga, ícones bizantinos. Há Rubens, Van Dicks… Há inúmeros Bonnards, Vuillards, Manets, dentre outros. No segundo andar são 17 salas com arte do século XX. Há inúmeros Picassos, Monets, Rodins, Gauguins, Van Goghs e Matisses. Há vários  Chagalls, Degas, Cézannes, Miros, Kandinskys, Klees etc. Eu nunca tinha visto esculturas de Matisse. Mas aqui tem! Acho que foi a primeira vez que vi Magrittes e Mondrians ao vivo.

Eu não esperava tanto. Chega a ser desumano haver tantas preciosidades assim num lugar só. É impossível ver tudo num só dia. Duas horas depois, saí de lá com fome, pernas bambas e zuretinha. Museu exige muito da gente. Mas eu estava feliz. É a minha igreja.

Voltando para o centro do centro histórico, em frente à Grossmünster há a…

Helmhaus

DSC_0657

É uma galeria de arte onde há exposições de arte contemporânea. Depois da Kunsthaus, onde me fartei, para mim foi uma falta de respeito ver arte contemporânea. Há umas instalações estranhas, feias… Mas consegui aproveitar a visita: como o edifício tem uma ótima localização, me foi possível fazer essas fotos:

DSC_0655

DSC_0656

Algumas frustrações

Os museus daqui costumam fechar às 18h. Sabendo disso fui ao Landesmuseum (Museu Nacional da Suiça) às 17h e ele estava fechando. Esse museu é imenso! Eu não conseguiria ver tudo nem em 3h. Vejam as fotos. Ele é tão grande que não caberia em 3 fotos.

DSC_0652

Quis muito ver os murais de Giacometti, mas consegui. O horário de abertura ao público é muito restrito (das 9h-11h ou das 14h-16h).

Quis, também, fazer um cruzeiro no lago Zurique, mas quando me direcionava ao cais, começou a chover.

É domingo, todas as lojas estão fechadas e muitos restaurantes também. nem consegui ir na famosa doceria Sprüngli.

DSC_0662

Olhem eu, sentada à margem do lago Zurique tentando me decidir se: tirava fotos dos bichos (pato, ganso e outros do gênero); fazia um cruzeiro pelo lago Zurique (mesmo com o tempo encardido); ia embora. Fui embora.

DSC_0646

Rapidinhas

Zurique é limpa, mas não tanto quanto as outras cidades suíças por onde passei. Aqui há bitucas de cigarro no chão. Vejam só, quem veio de São Paulo, onde jogam até sofá na rua, está reclamando de bituca de cigarro em terra alheia. Já tô ficando mal acostumada.

Os museus na Suíça são muito caros! Pensando apenas nos números, sem fazer conversão, em Paris a maior parte das entradas para museus custa 8  ou 11 euros, às vezes um pouco mais ou um pouco menos; na Suíça, a maior parte custa entre CH15 e CH28.

Muito +

Veja os posts sobre outras regiões da Suíça: Genebra, Berna, Interlaken, Jungfrau, Lucerna e Montreux

Veja o álbum fotográfico de Zurique

Veja também o álbum fotográfico da Suiça 

3 Comentários

    • Oi, Lu!
      Tanto na Suíça quanto em Paris tenho comido sanduíches naturais e muitos queijos, iogurtes e frutas. Não sei comer por aqui. Fui a um restaurante em Zurique, me apresentaram um cardápio em alemão sem nenhuma tradução. Desisti e fui para uma pizzaria.
      Bjs,

Comments are closed.